Categoria: Institucional

Institucional

Dia Mundial da Justiça Social: entenda a importância da data

Nesta terça-feira (20.02), comemora-se o Dia Mundial da Justiça Social, data criada em 2007 pela Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU). A ação pretende propor a reflexão de temas como igualdade de gênero, respeito à diversidade, promoção do trabalho decente e erradicação da pobreza.

A justiça social tem como princípio que todos os indivíduos possuem direitos e deveres semelhantes, incluindo direito à saúde, educação, trabalho e justiça. “Entendemos como função do Estado, e das instituições da sociedade civil como um todo, possibilitar e fortalecer estratégias de combate à desigualdade social e, a partir da coletividade, romper com os ciclos de naturalização da exclusão social e violação dos direitos fundamentais”, afirma Nayara Oliveira, psicóloga do Instituto C.

Para esclarecer o termo e a importância da data, vamos destrinchar aqui a origem do Dia Mundial da Justiça Social, os desafios dentro da sociedade brasileira e como a atuação do Instituto C fortalece cada indivíduo para essa luta. Aqui, você vai encontrar:

  • A origem do Dia Mundial da Justiça Social
  • O que significa justiça social
  • Instituto C como agente da justiça social

A origem do Dia Mundial da Justiça Social

Em 2007, em Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), foi definido o Dia Mundial da Justiça Social (20 de fevereiro). O objetivo da data é trazer reflexão sobre o tema e promover ações que possam servir de enfrentamento da pobreza, da discriminação, do desemprego e de qualquer outra forma de exclusão ou marginalização.

Em 2023, a ONU apontou um momento de oportunidades no Dia Mundial da Justiça Social, já que, de acordo com o órgão, são mais de 200 milhões de trabalhadores vivendo em pobreza absoluta por causa de crises múltiplas. Entre as causas do retrocesso, estão fatores como impacto do Covid-19, agitação geopolítica, crise econômica e desastres naturais. 

O que significa justiça social

E o que é justiça social? O termo baseia-se nos valores da equidade, igualdade, respeito pela diversidade, acesso à proteção social e aplicação dos direitos humanos em todos os domínios da atividade humana. No entanto, segundo os dados coletados na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD-C), conduzida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2018, aproximadamente 6,5% da população do Brasil estava vivendo abaixo da linha de pobreza internacional, o que corresponde a cerca de 13,6 milhões de indivíduos.

Um dos resultados do agravamento da pobreza e das disparidades de renda no Brasil é evidenciada pelos dados fornecidos pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Penssan). Em 2020, o país contava com 19 milhões de indivíduos em situação de fome. Comparando com os números de 2018, quando havia 10,3 milhões de pessoas passando fome, percebe-se um acréscimo de 9 milhões nessa condição durante o primeiro ano da pandemia. Isso evidencia um notável aumento da fome no Brasil.

Em suma, a justiça social é uma construção moral e política baseada na igualdade de direitos e na solidariedade coletiva. “É através dela que a gente consegue garantir a equidade e igualdade de oportunidades para os membros da nossa sociedade”, aponta Franciele Fernandes, assistente social do Polo Centro.

Para ela, a justiça social envolve a questão de distribuição justa de recursos, acesso aos serviços básicos e também a eliminação das desigualdades e das discriminações sociais. “Só conseguimos alcançar a justiça social por meio de políticas e práticas que visam reduzir as disparidades sociais. Dessa forma, a gente consegue promover a inclusão social e garantir que todos tenham condições dignas de vida”, diz. 

Instituto C como agente da justiça social

No Instituto C, a justiça social é promovida de maneira transversal. “Desde o momento em que chegamos em um território, ou uma família chega até nós, atuamos para isso. Elas carregam em si uma história singular, mas que também é social, cultural, histórica e economicamente construída e, muitas vezes, construída em cima de uma relação de poder em que uns possuem valor e outros não, atrelado às intersecções de raça, gênero e classe”, explica Nayara.

A partir do momento em que essas famílias se reconhecem como sujeitos de direitos, de maneira equânime, é preciso olhar para suas potências e vulnerabilidades com outro olhar, buscando ativamente que o que está previsto como direitos seja garantido e protegido. “Para que todas as pessoas possam sonhar, viver felizes e com suas relações fortalecidas, é preciso garantir seu acesso à moradia, educação, saúde e trabalho. Para isso, nosso trabalho de base é feito nesse reconhecimento, conhecimento destes direitos e o meio para alcançá-los ou lutar para que sejam concretizados”, diz.

Além da demanda individual de cada família, também são trabalhadas questões que são vivenciadas por todo o território. Com rodas de conversa e atendimentos em grupo, os assuntos podem ser problematizados para que, assim, sejam co-construídas rotas de saída outras que não a naturalização destas questões e a repetição destes ciclos. “A porta de tudo é se sentirem acolhidos, vistos e reconhecidos como dignos e com igualdade de oportunidades. A partir dos atendimentos, como acessar isso e se fortalecer para exercitar sua autonomia com dignidade”, garante Nayara.

Dessa forma, a consequência natural é caminhar rumo à justiça social, tornando famílias não só fortalecidas e autônomas, como também multiplicadoras, alcançando e impactando cada vez mais pessoas.

Institucional

Retrospectiva Instituto C – 2023

Em 2023, o Instituto C completou 12 anos de história – e os motivos para comemorar são vários, vamos relembrar?

Tivemos muitos marcos também em relação aos impactos sociais no ano de 2023 , como a marca de mil famílias atendidas pelos projetos. “Esse é um número muito significativo para nós, pois representa não só o crescimento do nosso trabalho, mas significa mais pessoas sendo transformadas e impactadas pela nossa missão.”, afirma Katia Moretti, coordenadora do Polo Centro.

Paloma Costa, Coordenadora de Comunicação e Parcerias, também celebra ao olhar para o ano que passou: “Foi um ano muito importante e produtivo para o Instituto C, marcado por conquistas significativas, avanços notáveis, além do fortalecimento de parcerias estratégicas que ampliaram nosso impacto e influência na comunidade!”. 

Conquistas e reconhecimentos

Entre os reconhecimentos positivos do Instituto C, há que se destacar o prêmio das 100 Melhores ONGs do Brasil, no qual a organização fez parte pelo sétimo ano consecutivo. “Para nós, é uma responsabilidade nos mantermos entre as melhores. Cada vez mais o prêmio vai se aprimorando e a concorrência aumentando. Então, temos que olhar para dentro para aperfeiçoar ainda mais a nossa transparência e gestão para conseguir estar entre as melhores. E conseguimos”, afirma Paloma.

A expansão para o Guarujá também foi um destaque de 2023. A partir da parceria com a ONG Alimentando o Bem, o Instituto C ampliou sua operação e começou a atuar em uma outra cidade. 

Para Paloma, a novidade é um grande ganho, afinal, foi uma forma de levar a metodologia de atuação do IC para uma comunidade que ainda não tinha esse serviço e em parceria com uma organização local. “Esse modelo reduz o nosso custo de equipe na região e, por outro lado, leva nossa metodologia para uma organização, que já atua na região, para que ela possa fortalecer os serviços oferecidos. É um modelo que poderemos replicar em parceria com outras organizações e em outros locais”, completa.

Saiba mais sobre nossa expansão para o Guarujá, aqui! 

Temos mais motivos para comemorar! 

Em 2023, o Instituto C entrou para o ranking internacional The Dot Good como uma das 50 melhores ONGs do Brasil. “Ele é produzido por uma organização internacional que faz uma avaliação das organizações do Brasil e destaca as que têm maior transparência, qualidade de gestão e impacto social. Foi uma grande conquista”, conta Paloma.

Impacto social

E, mais do que celebrar os prêmios, o impacto social também merece ser comemorado. 

Em 2023, as famílias que passaram pela organização:

Retrospectiva

 

Reflexões e Conquistas

No contexto de crescimento dos atendimentos, em 2023 foi colocado em prática o projeto de pré-atendimento para as famílias que estão na lista de espera para adentrar aos projetos.

A partir de uma preocupação crescente da equipe técnica e da gestão do Instituto, essa iniciativa surgiu com o intuito de garantir informações sobre os direitos (pelo menos os mais básicos) às famílias. “Hoje, temos uma lista de espera grande para participar do projeto, mas desenvolvemos ações de contato para fazer um pré-atendimento com algumas orientações iniciais”, conta Kátia –   que acrescenta que algumas famílias, inclusive, já participaram de rodas de conversas informativas.

Em 2023, 66 famílias encerraram seus ciclos de atendimento no Polo Centro. “Com isso, conseguimos visualizar as conquistas de cada uma delas e os caminhos que puderam trilhar sozinhas. Perceber todo o trabalho que foi desenvolvido ao longo da trajetória da família no projeto é sempre muito emocionante. Nos encerramentos, celebramos juntos todas essas conquistas que elas obtiveram através das orientações, dos encaminhamentos e dos atendimentos”, conta Kátia.

Para ela, 2023 também foi um ano de aprendizado e capacitação para a própria equipe do Instituto C. “Investimos bastante em treinamentos internos e externos, e também em integração da equipe para que a gente possa cada vez mais fortalecer a nossa política de cuidar do cuidador”, finaliza

Tudo isso foi possível graças ao apoio dos nossos doadores, parceiros, voluntários e equipe. O ano de 2023 foi um ano de grandes conquistas e muitas histórias transformadas!

Vídeo de retrospectiva IC – Celebrando as conquistas de 2023

Venha celebrar conosco essas realizações do Instituto C! No nosso vídeo de encerramento, compartilhamos detalhes sobre as conquistas, os marcos sociais e os números impactantes que moldaram o ano de 2023.

Juntos, vamos reviver momentos inspiradores e entender como nossas parcerias estratégicas fortaleceram nosso papel na comunidade. Clique aqui e assista agora e inspire-se no poder da mudança positiva!

Institucional

A jornada das famílias no Instituto C

Atendendo famílias que enfrentam situações de vulnerabilidade social com crianças e adolescentes, o Instituto C tem como foco ajudá-las a conquistar e estabelecer sua independência e autonomia, enquanto ampliam a consciência de seus direitos e responsabilidades.

Para isso, o IC investe recursos para desenvolver capacidades intrínsecas de cada pessoa visando como auxiliá-la na sua transformação em um cidadão, ciente de seus direitos e deveres por meio de acolhimento, orientações, direcionamentos e articulação com a rede socioassistencial. Assim, o Instituto C busca pela transformação social no final da jornada de cada família atendida.

Triagem e plano de atendimento individualizado

As famílias chegam até o Instituto C de forma espontânea, por meio de indicação de outras famílias que já conhecem o projeto ou encaminhados pela rede socioassistencial que as encaminham para a instituição. 

Depois do primeiro contato da família com o Instituto C acontece a triagem, na qual elas passam por uma entrevista para análise socioeconômica e, estando dentro do perfil, são convidadas para iniciar os atendimentos. 

Desde o contato inicial, o olhar é feito de forma totalmente individual, isto é, o cuidado com cada família começa pela formulação de um plano de atendimento específico para ela. Assim, cada família é atendida pelas áreas que precisa, dentro da frequência necessária.

Acompanhamento técnico e atendimentos multidisciplinares

Há sempre um profissional designado para acompanhar cada família, que chamamos de técnico de referência da família, fortalecendo o vínculo da família com o Instituto C e agilizando as resoluções das demandas.

Em dias específicos, as famílias recebem orientações e encaminhamentos nas áreas de assistência social, psicologia, nutrição, educação e geração de renda. Com essa divisão, a família tem mais autonomia para dizer de quais atendimentos quer participar, se aprofundar nos temas e, consequentemente, a eficiência dos atendimentos é ampliada.

Monitoramento e evolução de cada família

Mensalmente, avaliamos a evolução das famílias e a aderência ao plano de ação que traçamos individualmente com cada uma delas. Em média, cada família atendida permanece no Instituto C por um ano e meio. Esse é o tempo médio para que as chefes de família fortaleçam sua autoestima, ampliem sua rede de apoio e tenham domínio da rede socioassistencial para que possam viver com mais autonomia. Assim, ao encerrar seu ciclo no Instituto C, ela dá espaço para que uma nova família também possa ser atendida. 

Polos de atendimento

Hoje são três polos de atendimento do Instituto C, cada um deles com suas especificidades.

Polo Centro

No coração do bairro Vila Buarque em São Paulo encontra-se o Polo Centro, que desempenha o papel de sede do Instituto C. Foi nessa região que começamos a atuar há 12 anos, e onde prototipamos a metodologia usada no Instituto C. 

Inicialmente, atendíamos apenas famílias com crianças que possuíam algum tipo de doença crônica – e até hoje esse segue sendo o perfil das famílias que são atendidas no Polo Centro. 

Em 2012, começamos a realizar uma triagem detalhada com foco na escuta qualificada, definição do plano de trabalho junto e acompanhamento de metas com as famílias atendidas. Esse método foi sendo aprimorado e hoje é replicado em outros 2 polos. 

Polo Zona Norte

Localizado no bairro Vila Palmeiras, em São Paulo, o Polo Zona Norte abriu suas portas em março de 2022. Esse polo proporciona assistência a famílias em situação de vulnerabilidade, acompanhadas por crianças e adolescentes, residentes em comunidades nas proximidades do Polo Zona Norte.

Polo Guarujá

Por fim, em 2023, nasceu o Polo Guarujá – fruto da parceria entre o Instituto C e o Alimentando o Bem. A ONG surgiu no início da pandemia de Covid-19, para ajudar moradores do Perequê que já enfrentavam graves problemas com as fortes chuvas que haviam atingido a região. Desde maio de 2023,  as duas organizações se uniram para implantar a metodologia de atendimento social do Instituto C na região. 

Inicialmente, foi realizado um estudo do território para entender suas singularidades e como atender as demandas das famílias que ali residem. A partir dessa análise, começamos a trabalhar na formação da equipe multidisciplinar e no desenho da metodologia de atendimento das famílias.

Hoje, o Instituto C tem condição de ampliar sua metodologia, sempre com o cuidado de olhar para cada região e entender as suas diferenças e particularidades. Dessa forma, cada vez mais territórios podem ser atendidos e famílias beneficiadas!

InstitucionalServiços IC

ONG – O que é e como funciona?

Ong – O que significa?

Você já parou para pensar em como funciona uma ONG? A sigla, que significa Organização Não Governamental, é uma entidade de caráter privado, sem fins lucrativos e independente do governo que se dedica a causas sociais, culturais, ambientais, humanitárias, educacionais, de saúde, entre outras.

Terceiro Setor 

 Uma ONG compõe o que chamamos de terceiro setor – que são organizações que desenvolvem atividades em favor da sociedade e sem objetivo de lucro. Esse conceito foi criado nos Estados Unidos e define como primeiro setor aquele que é constituído pelo Estado e o segundo setor pelos entes privados que buscam fins lucrativos.

De acordo com Vera Oliveira, Fundadora e Diretora Executiva do Instituto C, o segundo e terceiro setor possuem uma estrutura muito semelhante para o bom funcionamento. “Em termos de estruturação, não existe muita diferença entre uma ONG e uma empresa. O diferencial é o que a gente vende, que no nosso caso é o impacto social”, disse em uma entrevista publicada aqui no blog em maio de 2022.

Inclusive, em 2022, o Instituto C conquistou pela sexta vez consecutiva o prêmio Melhores ONGs, que premia as 100 melhores organizações brasileiras do terceiro setor. Com edições anuais, desde 2017, a celebração já é uma das mais importantes do setor e apenas em 2021 recebeu inscrições de 1033 organizações espalhadas pelo país. Assim, o IC faz parte de um seleto grupo de sete organizações brasileiras a constar na lista das 100 melhores em todas as edições do prêmio.

Como funciona uma ONG?

O funcionamento de uma ONG tem como base mobilizar recursos financeiros, humanos e materiais para alcançar seus objetivos e promover mudanças positivas na sociedade. Geralmente, a renda é obtida por meio de doações, patrocínios e convênios com governos e outras instituições.

Parte importante de uma ONG, claro, é o trabalho voluntário de pessoas comprometidas com suas causas, o que amplia o seu alcance. Porém, para além disso, uma ONG também possui contas a pagar: como impostos, salários, fornecedores e aluguel.

No Instituo C, por exemplo, são quase 30 funcionários que possuem carteira assinada e recebem os benefícios garantidos por lei. Dados do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea), mostram que as organizações do ramo empregam, formalmente, 3 milhões de pessoas. 

Uma das fontes de renda mais importantes do Instituto C, por exemplo, é a Nota Fiscal Paulista. Quando você pede o CPF na nota de uma compra qualquer, automaticamente aquele estabelecimento é obrigado a declarar a venda e pagar o imposto para o governo. 

No início, para incentivar o consumidor, o valor gerado em créditos a partir das compras com CPF na nota era relevante. Com o tempo, o governo mudou os parâmetros, beneficiando as ONGs, e diminuiu o valor para o consumidor. Atualmente, a doação via Nota Fiscal Paulista equivale a 16% da receita anual do Instituto C.

Atuação das ONGs

De forma independente, uma ONG busca complementar as ações do governo e trabalhar em áreas onde há demandas sociais não atendidas ou onde é necessária assistência adicional. Os trabalhos são amplos, e abrangem:

  • Assistência social;
  • Educação; 
  • Saúde;
  • Meio ambiente;
  • Direitos humanos;
  • Ajuda humanitária em situações de emergência.

Instituto C – Criança, Cuidado, Cidadão 

Fundado em 2011, o Instituto C nasceu atendendo famílias em situação de vulnerabilidade social com crianças com doenças crônicas ou graves. De lá para cá, os projetos foram expandindo e abraçando mais causas – como, por exemplo, a Primeira Infância, a fim de prevenir riscos no desenvolvimento pleno destas crianças e criando um ambiente favorável com estímulos, proteção e cuidado.

Em 2021, o IC decidiu unir seus três projetos – PAF, Educação em Rede e Primeira Infância – em um grande programa que oferece soluções para as mais diversas demandas sociais de famílias que vivem em situação de vulnerabilidade, a ser ofertado em Polos de Atendimento Social espalhados por São Paulo.

No programa, as famílias são acompanhadas por uma equipe multidisciplinar nas áreas de psicologia, educação, nutrição, geração de renda e serviço social – que buscam soluções para as demandas identificadas, sempre priorizando a conquista da autonomia das famílias.

Importância das ongs

O trabalho das ONGs é essencial por serem agentes de mudança, mobilizando esforços e recursos para causas importantes e, muitas vezes, negligenciadas. Elas complementam o trabalho do governo, atendem a necessidades específicas da sociedade, defendem direitos e contribuem para uma sociedade mais inclusiva, consciente e sustentável.

O Instituto C entrega impacto social, e esse produto é revertido para a sociedade. Todos saem ganhando”, afirmou Vera. 

InstitucionalPremiações

Diversidade, Equidade e Inclusão no Instituto C

O Instituto C tem como missão promover e estimular famílias com crianças e adolescentes em risco social a alcançar o pleno exercício de sua autonomia e cidadania. E, para isso, a diversidade, a equidade e a inclusão estão entre os principais valores praticados não só nos atendimentos e projetos do IC, como também na composição da equipe de funcionários, voluntários e membros do conselho.

Reconhecimentos

E, alguns reconhecimentos mostram que o Instituto C tem percorrido o caminho ideal, como, por exemplo, o Prêmio Melhores ONGs no qual a organização ocupou o pódio da premiação em 2022.

Demos um grande passo, ficamos entre as 3 Melhores ONGS do estado de São Paulo. Estamos muito orgulhosos por essa conquista”, comemorou Vera Oliveira, Diretora Executiva do Instituto C, na época.

Seguindo o mesmo percurso de sucesso, e também em 2022, o Instituto C também foi premiado com dois selos especiais:

  •  Selo de Direitos Humanos e Diversidade na categoria Criança e Adolescente;
  • Selo de Igualdade Racial.

Ambos promovidos pela Secretaria Municipal dos Direitos Humanos.

“Isso tudo faz com que a nossa credibilidade e visibilidade aumente, além de ser uma aprovação valiosa do nosso trabalho”, diz Vera.

Selo Direitos Humanos e Diversidade na categoria Criança e Adolescente

O Selo de Direitos Humanos e Diversidade é organizado pela Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Diversidade. O programa destaca as ações mais representativas de inclusão e diversidade adotadas por diferentes tipos de organizações, em 12 categorias temáticas.

Em novembro de 2022, o Instituto C conquistou o selo na Categoria Criança e Adolescente e, assim, passou a integrar a Rede do Selo, na qual se tem o propósito de trocar experiências e resultados alcançados. Durante o ano, são organizados quatro encontros, virtuais ou presenciais, com esse objetivo.

O Selo possui validade de um ano e, além de ser uma validação importante do trabalho dessas instituições, também é uma forma de inspirar as organizações a aprofundarem suas iniciativas e expandi-las para outras categorias.

Selo Igualdade Racial 

Outro selo conquistado pelo Instituto C foi o de Igualdade Racial, também promovido pela Secretaria Municipal dos Direitos Humanos. Este reconhece instituições privadas cujo quadro de profissionais contratados contemple, ao menos, 20% de pessoas negras, distribuídas em hierarquias e funções.

O objetivo do Selo é incentivar a adoção de políticas afirmativas por meio de cotas no âmbito do trabalho e a promoção da igualdade étnico-racial.

Essa sempre foi uma preocupação do Instituto C quanto à equipe nas contratações”, reforça Vera, que celebra agora a expansão da pauta também para membros do conselho. “Em abril deste ano tivemos a entrada de novos conselheiros e, pela primeira vez, entraram conselheiros negros. Isso é muito importante pois fortalece o nosso compromisso em expandir a igualdade racial em todos os nossos espaços – das famílias atendidas a todas as instâncias da organização”, finaliza a diretora executiva.


Com sua ajuda, podemos continuar levando mais autonomia e qualidade de vida a famílias em vulnerabilidade social. Clique aqui e saiba mais!
Alimentando o BemInstitucional

Nasce o terceiro polo do Instituto C, em parceria com o “Alimentando o Bem”!

Nasce o terceiro polo do Instituto C!

Já era esperado dentro do planejamento estratégico da instituição o nascimento de mais um polo de atuação, o que a equipe não imaginava que surgiria tão rápido, e mais: no território do Perequê, no Guarujá, litoral de São Paulo.

Inicialmente, a gente previa essa expansão a médio prazo, mas aconteceu mais cedo do que esperávamos”, comemora Nayara Oliveira, Psicóloga Institucional.

Alimentando o Bem 

 O “Alimentando o Bem” nasceu em 2020 na unidade de conservação da Área de Proteção Ambiental (APA) Serra do Guararu, no início da pandemia de Covid-19, para ajudar moradores do Perequê que já enfrentavam graves problemas com as fortes chuvas que haviam atingido a região.

Emar Batalha, fundadora do projeto, e Vera Oliveira, Diretora Executiva do Instituto C, foram apresentadas por um conhecido em comum e, de um propósito semelhante, começaram a trocar informações – as conversas foram se desdobrando.

Nós, como Instituto C, percebemos que poderíamos somar ao projeto, expandindo nossa metodologia de atendimento social, multiplicando o nosso trabalho e atingindo territórios que, talvez, a gente nem exploraria inicialmente, como o Guarujá”, explica Nayara.

Um dos princípios da Organização no Guarujá é o desenvolvimento local, com o intuito de transformar aquela comunidade estruturada por tantas desigualdades – muito do que o Instituto C também acredita.

Entendemos que, quando uma família se desenvolve, ela também modifica toda a organização a sua volta”, acrescenta.

Já Emar afirma que aprender junto, e com o outro, é uma troca fundamental. “A parceria faz encurtar um caminho, economiza erros e poupa sofrimentos. Acredito que existe um aprendizado nas duas pontas“, diz a fundadora do “Alimentando o Bem”. 


“O propósito nasce de lugares diferentes, mas, no final, caminhamos juntos para o mesmo rumo da transformação social” – Nayara Oliveira

Como vai funcionar o terceiro polo do Instituto C?

De propósitos semelhantes e conversas aprofundadas, surgiu a parceria que culminou no terceiro polo do Instituto C.

Lá, a metodologia do Instituto C será aplicada e adaptada para as demandas particulares do território. “Juntos, construiremos uma equipe multidisciplinar que irá atender de forma cuidadosa famílias em vulnerabilidade social, promovendo a efetividade da garantia de direitos”, pontua Nayara.

Liliane Moura, Assistente Social Institucional, acredita que a parceria é muito potente e frutífera – muito por conta das intenções semelhantes. “Ambos têm como propósito a transformação social por meio do enfrentamento das vulnerabilidades sociais. E hoje temos condições de ampliar a nossa metodologia, sempre com o cuidado de olhar para cada território e entender as suas diferenças e particularidades, é claro”, acrescenta.


“Caminhamos juntos com missões, intenções, desejos e sonhos muito parecidos” – Liliane Moura

Assim, Nayara e Liliane foram as responsáveis por estudar e entender as singularidades do território do Perequê. “Não temos a intenção de chegar com um saber verticalizado. Estamos imersas no local para entender como construir o que faz sentido ali”, reforça Nayara.

Liliane explica que, inicialmente, foi desenhado um cronograma que contempla a participação do Instituto C de forma remota e também presencial. “Estamos entendendo a necessidade de estarmos na região fisicamente para contribuir com o início do treinamento e da coleta de dados que geram indicadores do desenvolvimento dessas famílias”, diz. “E isso faz todo o sentido para a gente, porque priorizamos estar presente para que o trabalho seja sustentável a longo prazo. A gente aposta em acompanhar o projeto e as melhorias ao longo do tempo”, acrescenta Nayara.

Informações – Alimentando o Bem 

O “Alimentando o Bem” tem cerca de 400 famílias cadastradas em sua base e, um de seus projetos internos, é o “Moradia Digna”. “Por conta das chuvas, o projeto decidiu ramificar as suas áreas de atuação e, nesta, famílias são convidadas para saírem das áreas de risco com um aluguel social”, explica Nayara. São essas famílias que terão prioridade no atendimento multidisciplinar pela questão de vulnerabilidade da moradia. “Começaremos com esses 70 atendimentos e expandindo aos poucos”, acrescenta.

De toda essa parceria, quem ganha são as famílias.

“A gente aproveita o conhecimento e a experiência do Instituto C, e a equipe do mesmo tem a possibilidade de experimentar uma vivência em uma região completamente diferente do que estão acostumados. Ganham os dois institutos, mas principalmente a comunidade”, comemora Emar. 

A construção e a cocriação tem feito muito sentido para nós, que já estamos há uma década trabalhando nessa metodologia. Acreditamos muito em sua potência, e em seu poder de transformação e impacto em outros territórios também”, celebra Liliane.

Clique e conheça mais sobre o terceiro polo IC: Instituto Alimentando o Bem.

Institucional

Inclusão produtiva: o que é e quais soluções são oferecidas pelo Instituto C

Já ouviu falar em inclusão produtiva? O termo se refere à criação de condições favoráveis para que todos os indivíduos na sociedade tenham acesso a oportunidades econômicas e possam participar ativamente da produção e do mercado de trabalho.

A inclusão produtiva busca garantir que grupos marginalizados e em vulnerabilidade social, como pessoas com deficiência, mulheres, jovens, idosos e minorias étnicas, tenham igualdade de acesso a recursos, capacitação e empregos.

A importância não se restringe apenas a fonte de renda, mas também a outros aspectos que a falta de trabalho causa, como baixa autoestima. Quando as barreiras da exclusão social são superadas e as pessoas são incluídas de maneira produtiva, ocorrem diversos benefícios, promovendo o crescimento econômico sustentável, fortalecendo a coesão social e, claro, reduzindo a pobreza.

A inclusão produtiva é uma área onde cuidados da reforma dos currículos, opções de capacitação e até o encaminhamento para vagas de emprego dentro da rede”, explica Isabel Pinheiro, Assistente Social de Geração de Renda.

Ela conta que o olhar é individual para a real necessidade de cada família e o trabalho é para facilitar os sonhos de cada uma. 

Inclusão produtiva – Soluções do Instituto C (programa Cidadania em Rede)

Vemos que muitas mulheres não têm a capacitação no currículo, mas têm a força de vontade para trabalhar”, conta Isabel que, em seu trabalho, busca dar o pontapé necessário para incluir esse indivíduo no mercado. “Eu identifico as vulnerabilidades daquele currículo, as questões de estudo e vou encaminhando para cursos que possam capacitar cada um deles, de forma que seja mais fácil a ingressão no mercado de trabalho”.

Uma das soluções encontradas pelo Instituto C para que tudo isso aconteça foi a parceria com a SIEMACO– Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Prestação de Serviços, que oferece cursos rápidos e com certificação em diversas áreas de trabalho. “A gente tem visto muitos bons resultados. Um caso recente, por exemplo, é o da Juliana, que fez três cursos pela SIEMACO em abril e, no início de maio, conseguiu um trabalho formal”, celebra Isabel.

inclusão produtiva

Isabel e Juliana com os seus certificados de 3 cursos que fez na Siemaco: Recepção/Atendimento, Comportamento Pessoal e Profissional e Supervisão. Veio até o instituto C para atualizar seu currículo.

 A conquista de um emprego, seja ele formal ou não, traz de volta a autoestima que foi impactada durante a busca por um trabalho. “Eles chegam já há bastante tempo desempregados, triste e até com vergonha por isso. Vamos cavando oportunidades para realizar o sonho de uma profissão”, conta Isabel. “Conforme eles vão fazendo os cursos, o currículo vai crescendo e oportunidades de entrevistas surgindo, eles se animam e ganham entusiasmo para seguir no caminho. E é isso que eu busco: que eles se sintam animados, como sujeitos de direitos, qualificados e parte da sociedade”, finaliza Isabel.


Parte do seu imposto de renda devido pode transformar vidas! Clique aqui e saiba mais!
Institucional

Homenagem ao Dia das Mães – Poema de Claudete Marcolino

Preparamos essa homenagem para aquelas que representam o maior amor que existe, as mães.

Feliz Dia das Mães!

Mãe que seria de mim sem ti?
Sua voz que fala aos meus ouvidos, que canta, que encanta e acalanta.
Que adverte, que ensina e educa.
Seus olhos que brilham e me veem.
Sua luz, seu andar, caminhar.

Mãe que acolhe, no ventre, no abraço, no coração!
Em sua sabedoria minha referência.
Sabedoria que aprendeu, compreendeu e se tornou no passar dos dias.
Ah a maternidade!
Que se fez e se faz cheia de perguntas sem respostas, erros e acertos.
Sim, mãe, eu sei que você não sabia!
e tudo que te disseram sobre ser mãe, não foram suficientes.

Mãe, que desbrava o desconhecido por não saber, que se dispõe aprender, que aprende sem se dispor.
Que não desiste!
Que se cansa, que não dorme e muitas vezes não come para o filho comer.

Em lutas aguerridas e diárias em busca do melhor se doa, se entrega,
Lágrimas, choros escondidos, medos, sorrisos, sonhos e conquistas
Para que eu pudesse ser, estar Aqui!

Mãe, sua maternagem se faz lembrada
Não importa como você foi, como é ou será
Não apenas na data de hoje,
Na minha história
Para que eu pudesse NASCER
Antes de mim,
Precisou existir VOCÊ!

Poema de Claudete Marcolino

 

Imagens das mães que constroem dia após dia a história e o legado do IC.

 

 

InstitucionalServiços IC

Está no ar o nosso Relatório de Atividades de 2022 – Cuidado em expansão

Cuidado em expansão

O relatório de 2022 do Instituto C que você está prestes a ler, mostra não só o trabalho que realizamos a cada dia, há 11 anos, como também transparece ao longo de suas páginas, como a organização foi amadurecendo e aperfeiçoando a sua metodologia e atuação ao longo dos anos.

Estamos com um programa de atendimento que foi replicado na Zona Norte e que está sendo cuidadosamente projetado para chegar a outros lugares e outras famílias, que se beneficiarão de um olhar cuidadoso e
do atendimento multidisciplinar focado nas demandas de cada uma.

Relatório de atividades 2022

É por meio da conexão entre as soluções já oferecidas pela rede socioassistencial com as demandas de cada família e a forma como ela é acolhida pela equipe multidisciplinar que vamos tecendo o nosso trabalho e fazendo ele chegar a mais famílias que precisam.

É nítido também com a abertura de um novo polo de atendimento, que o trabalho cresceu. Em 2022, ampliamos em 32 % o número de famílias atendidas. Porém, o que me traz mais satisfação em relação aos alcances do ano é o clima organizacional que construímos.

Apesar de trabalharmos com um tema sensível, ouvirmos cotidianamente histórias difíceis e que mexem com a nossa alma, o que mais escutamos quando reunimos os nossos colaboradores e voluntários são palavras que nos emocionam e relatam o quanto eles tem orgulho de trabalhar no Instituto C e o quanto esse trabalho ocupa um lugar muito especial na vida de cada um deles.

Esse sentimento, junto com o amadurecimento da organização, trouxeram conquistas importantes para nós e que coroaram o ano de 2022. Recebemos pela primeira vez dois selos muito importantes da Secretaria Municipal dos Direitos Humanos e Diversidade e ficamos entre as 3 melhores ONGs do Estado de São Paulo no prêmio Melhores ONGs. Esses reconhecimentos nos impulsionam mais e mais.

Te convido a ler as páginas do nosso relatório de atividades e acompanhar conosco cada passo da expansão do nosso cuidado para mais famílias em vulnerabilidade social.

Um abraço,
Vera Oliveira
Diretora Executiva

Faça sua leitura aqui!

InstitucionalParceriasVoluntariado

Mindfulness e a busca pelo autoconhecimento – Cuidar de quem cuida ❤️

Já ouviu falar no ​​Mindfulness? O termo, que em tradução livre significa “atenção plena”, é a prática de se concentrar completamente no presente. É um método que promove maior bem-estar emocional e qualidade de vida através de exercícios de meditação e respiração. 

Cada vez mais em alta, principalmente no mundo pós-pandemia, o Mindfulness auxilia na concentração, diminuição de estresse e ansiedade e no foco para as atividades importantes. 

De acordo com o último estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS), publicado em 2019, 18,6 milhões de brasileiros sofriam de ansiedade. É um número tão expressivo que coloca o Brasil como líder do ranking de países mais ansiosos.

“O mercado atual vem, infelizmente, desencadeando muitas vezes ambientes de estresse, aumentando casos de burnout, entre outros transbordamentos emocionais graves” – introduz Tatiana Castro, instrutora de Mindfulness e especialista em Inteligência Emocional e Autocompaixão.

Benefícios do Mindfulness

Como o nome sugere, o Mindfulness é uma prática, e deve ser mantida com regularidade a fim de colher seus bons frutos – e eles existem!

A importante revista científica The Lancet publicou um estudo, em 2015, onde comparou os resultados obtidos por remédios antidepressivos e por terapias baseadas em Mindfulness – eles foram muito parecidos! 

Fazer atividades com foco e presença, observar a respiração, perceber o corpo ao caminhar, comer com mais atenção… O Mindfulness pode estar presente em tudo. 

“Portanto, ter a oportunidade de trazer mais bem-estar para si mesmo, como por exemplo, conhecendo melhor seus próprios recursos internos para autorregulação emocional, é um grande benefício a se absorver em qualquer aspecto da vida”, afirma Tatiana. 

O Mindfulness para cuidar do cuidador

Em paralelo a isso, desde o ano passado, o Instituto C vem pensando em estratégias de cuidados e ações de integração para seus colaboradores. “Enquanto área de desenvolvimento institucional, faz parte do nosso objetivo construir práticas de cuidados”, introduz Nayara Oliveira, Psicóloga Institucional.

Essa busca veio logo após os encontros dos profissionais da linha de frente com o apoio de duas psicanalistas, que aconteceram em parceria com a Sociedade Brasileira de Psicanálise para trabalhar questões sensíveis que afetam muito o profissional.

A gente vem discutindo amplamente a questão da promoção de saúde. Estamos ampliando cada vez mais a visão de que é importante cuidar de dentro para fora”, afirma Nayara. E, o match não poderia ter sido melhor! Tatiana procurou o Instituto C para uma ação voluntária, ofertando uma prática de Mindfulness durante uma roda de conversa sobre autocuidado. “Depois disso, ela entendeu que a nossa equipe também lidava com assuntos importantes e, então, decidiu nos oferecer o curso”, completa.

Curso de Mindfulness

O Curso Mindfulness para a Vida é um protocolo internacional de Mindfulness baseado na Terapia Cognitiva Comportamental, desenvolvido especificamente para a aplicação prática da atenção plena em nossas vidas. “Nossa preparação tem um padrão determinado pelo Centro de Mindfulness da Universidade de Oxford. Nós, como Instrutoras, fomos com nossos corações cheios de alegria para desenvolver esse programa com uma turma que faz um trabalho não só significativo, mas necessário, para uma sociedade que ainda é muito desigual em tantos sentidos”, contou Tatiana.

O curso teve uma duração de seis semanas e a primeira turma, com seis pessoas, formou-se entre novembro e dezembro de 2022. Ali, foram ensinadas práticas de concentração e autoconhecimento – que podem ser aplicadas em diferentes aspectos da vida. “Já ouvi bons feedbacks, onde as pessoas têm melhorado o foco no trabalho e conseguido lidar melhor com as adversidades”, celebra a psicóloga.

“O compromisso das alunas com o Programa nos impressionou desde o início. As alunas valorizaram todo o tempo que passaram durante as práticas de Mindfulness, demonstrando interesse e abertura diante desse novo aprendizado. Sem dúvida, por conta disso, o desempenho do grupo foi tão elevado, assim como o aprendizado registrado ao final do Programa”, garantiu Ana Leonor Oliveira, Psicóloga e Instrutora de Mindfulness.

A próxima turma do curso será aberta em abril de 2023, mas antes são feitas inscrições para aqueles que quiserem participar – já que é feita uma entrevista prévia para entender em que momento da vida a pessoa está para analisar sua disponibilidade afetiva e de tempo durante as semanas de protocolo.

Quando a gente vai para o trabalho atordoado com as nossas questões, a gente tem dificuldade de estar presente e com qualidade ali, e isso impacta os atendimentos. À medida que cuidamos de nossas questões pessoais, promovemos relações interpessoais mais saudáveis”, finaliza Nayara.

Relato

Katia Moretti, Coordenadora do PAF – Plano De Ação Familiar, estava na primeira turma do curso e já colhe os bons frutos do Mindfulness.

Foi muito importante para mim ter esse momento de consciência e autocuidado. Ampliar a minha própria percepção sobre a autocobrança, por exemplo, foi fundamental para entender o meu processo e colocar em prática as técnicas ensinadas – na vida pessoal e no profissional”, celebra.

 


Parte do seu imposto de renda devido pode transformar vidas! Clique e saiba mais!